botao de busca



VOLTAR


<<< Anterior      Próxima >>>


Escolha o tamanho da fonte - A - A
31/Março/2020

Após forte alta, vendas de autosserviço caem 3% na segunda semana de março

Desempenho negativo foi impulsionado por produtos de Commodities, Higiene & Beleza e Limpeza. Destaque para as vendas de Bebidas, com alta de quase 10%


São Paulo, março de 2020 - As vendas nos maiores varejistas de Autosserviços do país, entre os dias 9 e 15 de março, registraram queda de 3% na comparação com a primeira semana do mês por conta do desempenho da cesta de produtos de Commodities, Higiene & Beleza e Limpeza.

Na primeira semana deste mês, antes do avanço da COVID-19 pelo país, o volume de compras de Autosserviço teve alta de 11,5%, em relação à última semana do mês de fevereiro. Esse desempenho, segundo a gerente de atendimento ao Varejo da Nielsen Brasil, Fernanda Vilhena, foi impulsionado, sobretudo, por suprimentos de abastecimento de emergência e de saúde. No entanto, ela avalia que, à exceção dos itens relacionados à proteção da saúde e higiene (álcool gel e itens de limpeza), a compra de insumos básicos de alimentação costuma ser alta nos primeiros dias.

"Os primeiros dias de cada mês tradicionalmente refletem a maior alta de consumo pelas famílias brasileiras, seguidos por uma desaceleração natural nas semanas seguintes. Porém, vale ressaltar que em março algumas pessoas fizeram compras maiores, o que pode ser um reflexo do cenário do novo Coronavírus. A partir dos dados do começo da segunda quinzena, teremos um retrato mais claro em relação ao consumo dos lares já sob os tempos de distanciamento social", explicou a gerente de Atendimento ao Varejo da Nielsen Brasil, Fernanda Vilhena.

De acordo com o levantamento, que compila o faturamento de cerca 150 cadeias de Autosserviço do país, a venda de produtos de Commodities na segunda semana de março caiu 16,9% na comparação com a semana anterior. Os maiores recuos foram registrados nas vendas de leite (-28,4%), açúcar (-15,8%), arroz (-13,4%) e café em pó (-10,8%).

A cesta de Higiene & Beleza teve baixa de 6%, por conta do desempenho negativo nas vendas de fraldas descartáveis (-13,3%) e produtos para tratamento de cabelo (-13,2%).

As vendas de suprimentos alimentícios tiveram desempenho negativo de 3,9%, com destaque para leite condensado (-20,4%), caldos (-17,7%) e tempero industrializado (-15,8%).

Por outro lado, as vendas de produtos industrializados ficaram estagnadas nesse período. As três maiores quedas foram em margarinas (18,8%), petit suisse (-8%), batatas congeladas (-6,4%). Já as três maiores altas neste segmento foram açaí (28,4%), soverte (+19%) e vegetais congelados (+15,6%).

Desenpenho positivo

Apesar de um declínio no faturamento em geral no Autosserviço, alguns produtos seguem com a performance em alta. A venda de álcool em gel avançou 214%, álcool de limpeza +101% e respiratórios +54%. Outro destaque é para os produtos para máquinas de lavar louça, alta de 30,3%; e para os chamados facilitadores para passar roupas, expansão de 15,3% no período.

As únicas cestas, segundo a Nielsen, que registraram desempenho positivo no período foram a de Bebidas (9,4%) e Eletrônicos & Portáteis (+1,8%). A primeira foi alavancada por maiores vendas de champagne (32,4%), vinho (26,2%), água mineral (23,5%), isotônicos (22,3%), entre outros. O faturamento de cerveja cresceu 6,9%.

Na segunda cesta, os brasileiros procuraram por monitor (+30,9%), freezer (+28,0%) e exaustor de ar (+14,5%). Para mais informações sobre análises globais da Nielsen em relação à COVID-19, acesse este site.

Fonte: dados Nielsen Total Store Read - Autosserviço
Para mais informações, visite http://www.nielsen.com/br


Fonte: Caravelas Consultoria




COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA EM SUAS REDES SOCIAIS
  • Digg
  • del.icio.us
  • DZone
  • blogmarks
  • StumbleUpon
  • Facebook
  • Tumblr
  • TwitThis
  • Print
  • email
  • Live
  • Yahoo! Bookmarks

Comente esta notícia


Ver mais notícias rss




© 2009-2020 Guias Web - Todos os Direitos Reservados - Normas de Uso - Política de Privacidade